quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Análise do Horário Eleitoral

Começou uma importante fase da campanha à Presidência: o horário eleitoral gratuito. Há quem anuncie que só agora se iniciou a campanha, que agora é pra valer. As propagandas na TV e rádio fazem, de fato, diferença, principalmente quando o tempo e o dinheiro disponíveis são o bastante, mas os candidatos já estão em campanha faz tempo. De qualquer forma, vejamos o que os principais candidatos apresentaram:

- Serra tem em torno de 7 min disponíveis, e decidiu tornar-se "Zé Serra". Sempre sorrindo, diferente do normal, enfatizou sua origem modesta, que seu pai era vendedor de frutas, embora não tenha dito onde (Mercado Municipal de São Paulo), e depois enumerou sua experiência política e os inúmeros cargos que ocupou. Obviamente, falou muito de saúde, relembrando seu tempo de Ministro da Saúde, cargo pelo qual é mais conhecido. Mas talvez surpreendeu muitos ao dizer que era economista, e não médico. Cumprimentou, em suas casas, pessoas que foram afetadas por seus programas, mostrando um caráter afável pelo qual não é conhecido. Interessante ressaltar que não atacou o governo Lula, nem em seu jingle de samba, que diz "Pro Brasil seguir em frente, sai o Silva e entra o Zé". Mas embora tenha escolhido uma estratégia apropriada, de não confrontar Lula, o "Zé Serra" não vai colar, assim como o "Geraldo" de Alckmin não funcionou.

- Dilma tem mais tempo, em torno de 10 min, e também falou de sua trajetória de vida, sem omitir o fato de ter sido presa, pra não tratar o assunto como tabu. Aproveitou para comentar sobre sua luta na ditadura, sem citar, no entanto, os atos que cometeu. Assim como Serra, tentou mostrar um lado mais humano, e no seu caso, o lado mãe. Emocionou-se e falou com a voz embargada ao citar a luta do governo pelos mais pobres. Quem pensava que Lula iria tomar todo o tempo dedicado à candidata se enganou. Lula apareceu ao seu lado, pra lembrar o povo quem é sua candidata, mas a propaganda do PT focou em Dilma, começando e terminando a propaganda com imagens de uma estrada, sempre em movimento, simbolizando a continuidade. Estratégia clássica em campanhas ao redor do mundo, mas eficiente.

- A Marina, coitada, restou pouco mais de 1 min. Focou esse tempo no meio-ambiente, sua especialidade, e em como o mundo está mudando por razão de ações humanas. Propôs sua candidatura como alternativa, mas precisa ainda apresentar sua biografia, que é admirável e não é muito conhecida pela maior parte da população brasileira. E como possui uma oratória muito superior à dos outros dois candidatos, tem chance de subir nas pesquisas, principalmente por conta dos debates.

Os outros candidatos não farão muita diferença na campanha. Com a exceção, talvez, de Plínio, principalmente como voto de protesto. Mas o começo do horário eleitoral foi marcado pelos candidatos se apresentando ao eleitor. Vejamos como se posicionam futuramente, principalmente com Dilma chegando perto de ganhar no 1º turno.

2 comentários:

  1. De fato, Serra não ataca Lula e o PT no horário eleitoral, mas o faz em qualquer entevista e debate ao qual se submete.

    ResponderExcluir
  2. A estratégia da Marina Silva é terrível, ela não é candidata a Capitão Planeta, ela é candidata a presidente. Não vai colar esse papinho de salvar o meio-ambiente.

    ResponderExcluir