sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Inclusão ou repressão?

Há frequentemente um discurso apolítico de que PT e PSDB são iguais. Eles não são radicalmente opostos, é verdade, mas o eleitorado de cada, o qual estes partidos buscam atender, tende a ser diferente, seja pela região de origem, renda, escolaridade, ou, principalmente, pela visão de mundo. E por mais que o sistema político brasileiro pressione os partidos no poder a se alinharem mais ao centro, algumas diferenças de postura são marcantes e ainda delineiam as particularidades de cada.

Um caso emblemático desta questão pode ser observado hoje no trato com dependentes químicos em São Paulo, mais especificamente no caso da Cracolândia. A prefeitura, do PT, preferiu a ideia da ressocialização, oferecendo trabalho, moradia e uma oportunidade de sair das ruas e tentar se distanciar da droga. O governo do Estado, do PSDB, preferiu a repressão, expulsando à força aqueles no local com a ação da Polícia Civil.

Sem buscar tomar partido, até no sentido literal, é evidente que são políticas públicas de enfoques opostos, agradando também públicos diferentes. Então como fica você neste embate? O melhor é a inclusão ou a repressão? A resposta, longe de definitiva, pode ao menos dizer um pouco mais sobre cada um, e talvez revelar qual partido se aproxima mais do que a sua visão de mundo representa. De garantido, só mesmo a confirmação de que nem todos os políticos (e seus respectivos partidos) são iguais.

Ah, e o que penso? Eu vou sempre ficar ao lado da resposta mais humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário