quarta-feira, 23 de julho de 2014

Fechamento da Santa Casa: a culpa é de quem?



Recuperando da depressão pós-Copa, um texto rápido sobre um tópico menor (mas ainda importante) em meio a tanto caos no mundo agora.

O pronto-socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o maior hospital filantrópico da América Latina, está com as portas fechadas desde ontem (22/07). Por motivo de dívidas com fornecedores, o hospital estava sem material adequado para continuar funcionando e, portanto, foi forçado a parar o atendimento. Houve muita comoção e muito arremesso de pedras no governo federal. “Culpa da Dilma”, “culpa do PT”, “quem manda investir em estádio e não em hospital”, etc. Calma lá.

Vamos lembrar que a Santa Casa é um hospital filantrópico privado (ou seja, administração privada, mas não cobra de seus pacientes). O atendimento é financiado pelo SUS (de acordo com a tabela do governo federal) e complementado com recursos do governo do estado. Sendo assim, há 3 possíveis culpados nessa história toda, e nenhum exclui o outro. Vejamos:

- O primeiro culpado pode ser mesmo o governo federal. Hospitais filantrópicos recebem repasses do governo federal principalmente pela tabela de procedimentos do SUS. Tabela esta que, de acordo com o provedor da Santa Casa, está desatualizada. O governo federal, em sua defesa diz que não, que, desde 2012, o total repassado pelos procedimentos foi mais que o dobro, além de prover outros incentivos financeiros. O governo federal ainda perdoou as dívidas com o hospital para mantê-lo de pé; os fornecedores, não.

- O segundo pode ser o governo estadual. Poucas pessoas lembram, mas a administração e a aplicação dos recursos da saúde (e educação, inclusive) são de responsabilidade dos estados e municípios. O governo federal repassa os recursos para que os estados e municípios os distribuam como quiserem. Sabe aquele dinheiro desviado da saúde e da educação? Então, geralmente ele se perde no caminho entre o estado/município e o hospital/escola que deveria recebê-lo. Neste caso específico da Santa Casa, o governo do estado diz que tem complementado sistematicamente os hospitais filantrópicos com recursos extras. O Secretário da Saúde, David Uip, anunciou a liberação de R$ 3 milhões de fundos emergenciais, e condiciona mais recursos a uma auditoria das contas do hospital.

- O que nos leva ao terceiro culpado: a própria Santa Casa. Como a administração é privada, o problema pode ser interno. Má administração, problemas de gestão, desvio das verbas públicas recebidas, etc. É preciso fazer uma auditoria no hospital, já que o mesmo recebe dinheiro público, para ver se o motivo para o endividamento vai além de uma possível escassez de recursos recebidos.

“E a prefeitura?”, alguém pode perguntar. A prefeitura não tem nada a ver com isso, porque a Santa Casa tem convênio com o estado. Mesmo assim, a Secretaria Municial de Saúde se prontificou a distribuir seringas, luvas e kits de exames suficientes para uma semana de atendimento para evitar o fechamento da emergência.

Difícil avaliar quem é o verdadeiro culpado. Pode ser um, podem ser dois, podem ser os três. O importante é que, antes de apontar os dedos, é preciso conhecer melhor a situação, tanto específica quanto geral na saúde pública. É mais fácil culpar o cara (ou a mulher) lá de cima, quando o problema pode estar mais embaixo, no governador que nunca leva a culpa por nada (porque ninguém sabe o que ele faz ou pra que serve), ou ainda lá no fim, com a administração do hospital que, para esconder o mau feito, fala o que o povo quer ouvir: “a culpa é dos políticos”. A situação é triste e complicada, mas, falando em saúde, nessas horas em que o fígado fala mais alto, utilizemos o órgão correto: o cérebro. E nem precisa de muito dinheiro pra isso.

8 comentários:

  1. Ótimo comentário! Gostei!

    ResponderExcluir
  2. vejam como é iniciado o texto que se apresenta: "Recuperando da depressão pós-Copa, um texto rápido sobre um tópico menor (mas ainda importante) em meio a tanto caos no mundo agora." claramente se coloca a copa do mundo de futebol como algo mais importante que o atendimento médico da rede publica para pessoas pobres que necessitam, "um texto rápido sobre um tópico menor" sinceramente dá para levar a sério quem escreveu este texto????? essa pessoa dever ser da zelite branca que usam o Hosp. Albert Einstein quando ficam doentes, assim como o seu querido Lula....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, eu quis dizer menor em relação ao que está ocorrendo no mundo agora. Creio que o fechamento temporário de um hospital é um tema de menor impacto global do que o seu bombardeio, como está ocorrendo na Faixa de Gaza, ou o abate criminoso de aviões comerciais, como ocorreu na Ucrânia, não?

      Excluir
  3. Querido anônimo, quem postou este comentário é formado e mestrado pela USP e você?...

    ResponderExcluir
  4. usp? aquela que os alunos fecham e depedrão para ter o direito de fumar maconha sem intervenção da policia? que vem caindo a passos largos na qualificação mundial do ranking de universidades? . Sou mestrado e formado pela vida trabalhando desde os meus 14 anos. E não sou alienado.

    ResponderExcluir
  5. Gostei anônimo esses play boy vivem em uma bolha. Só analisam superficialmente e vão na onda de qual quer intelectual de meia tigela...............

    ResponderExcluir
  6. Vocês não sabem de nada bando de ignorantes, aprendam com quem estuda e abram suas mentes para o entendimento...

    ResponderExcluir