sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Não, nazismo não é de esquerda



O maior problema dessa discussão se nazismo é de esquerda ou de direita vem da incompreensão (ou melhor, deturpação) dos próprios conceitos de direita e esquerda. Alguns grupos liberais espalharam por aí a ideia de que a diferença entre esquerda e direita é sobre ter mais ou menos Estado. Pura bobagem.

É preciso lembrar que a origem dos termos é da Revolução Francesa, dos jacobinos, que se sentavam à esquerda da Assembleia Nacional, e dos girondinos, que se sentavam à direita. Vocês acham que a discussão deles se pautava por quem queria mais ou menos Estado? Claro que não, os jacobinos queriam reformas mais radicais, maior participação popular nas decisões, mais igualdade social. Os girondinos, por outro lado, defendiam manter certa ordem institucional com a preservação de alguns privilégios. Daí que vem ser de esquerda ou direita.

A bobagem continua porque, lembremos, o comunismo defende o fim do Estado. Os anarquistas também, e nenhum deles é de direita por isso (exceto anarcocapitalistas). O que torna os liberais de direita é justamente o anseio de manter a ordem econômica entre ricos e pobres, já que não haveria problemas nisso.

E o nazifascismo? Oras, nem de longe se pregava a igualdade social, e sim a superioridade da raça ariana (no caso dos nazistas) ou da nação. Também não pregava contra a ordem capitalista, pelo menos não no seu sentido estrito (nada de fim da propriedade privada ou de socialização dos meios de produção), nem pretendia acabar com a sociedade de classes. A grande diferença entre eles e os liberais era que os nazifascistas acreditavam que o Estado deveria ter um papel importante na economia.

Além disso, é importante salientar também que, quando a chapa esquentou entre nazifascistas e socialistas/comunistas, os liberais em geral apoiaram os primeiros. Afinal, pelo menos os nazifascistas não eram contra a propriedade privada. Mises, ídolo dessa nova juventude liberal, inclusive, até chegou a dizer que "o fascismo salvou a Europa do comunismo".

E nem adianta dizer: "ah, mas o partido nazista se chamava Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, logo ele era socialista". É possível citar inúmeros exemplos de nomes que não condizem com a realidade, basta olhar os partidos brasileiros, ou então o regime da Coreia do Norte, cujo nome completo é República Popular Democrática da Coreia. Ninguém vai dizer que é um país democrático, certo? Contudo, nas palavras do próprio Hitler, em uma entrevista que pode ser lida aqui, ele diz: "Nós poderíamos ter nos chamado de Partido Liberal. Nós escolhemos nos chamar Nacional Socialistas". Quer dizer, o nome pouco importava. E, anteriormente, ele ressalta: "O socialismo é uma instituição antiga ariana, germânica. [...] O marxismo não tem o direito de se disfarçar de socialismo. O socialismo, ao contrário do marxismo, não repudia a propriedade privada." Ou seja, Hitler e os nazistas deram um outro significado ao socialismo, totalmente diferente do socialismo marxista presente na esquerda. A verdade é que Hitler se aproveitou que a palavra "socialismo" estava na moda para criar o seu movimento e atrair as pessoas para ele. "É socialismo, mas não é, saca?"

Ou seja, a tentativa de colocar na conta da esquerda todas as atrocidades da história é, no mínimo, desonesta. Atrocidades foram cometidas por ambos os lados. Você pode ser liberal, de direita, e ainda assim condenar veementemente o nazifascismo, assim como eu posso ser de esquerda e condenar veementemente o stalinismo. O que não dá é querer reescrever a história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário